A política da tolerância zero como controle da criminalidade no Brasil

Marília Gabriela Andrade Pereira

Resumo


A política da Tolerância Zero surge nos Estados Unidos na década de 90, e se baseia na chamada teoria das "janelas quebradas" ("Broken Windows"), como solução mágica contra a violência e a criminalidade. O programa vem sendo exportado a diversos países e estados, difundindo-se a idéia de que para se manter a ordem e a segurança todo e qualquer desvio deve ser reprimido, mesmo que insignificante. Na realidade, a Tolerância Zero possui outros fins além dos declarados pelos governantes à população. Quando analisada pela perspectiva da Criminologia Crítica, a política se mostra como forma eficaz de garantia da manutenção das desigualdades de classes e da exclusão, neutralização e ofensa as classes mais pobres. Neste trabalho foi realizado um estudo sobre a adequação da teoria das janelas quebradas (“Broken Windowns Theory”) e a política da Tolerância Zero à Constituição brasileira, analisando se a mesma poderia ser implantada para controle da criminalidade no país. Conclui-se que a política não seria adequada a realidade brasileira, visto que a mesma fere com o princípio da dignidade humana, além de diversos outros fatores que fazem com que a política seja inadequada ao país. 


Texto completo:

PDF

Referências


ANUÁRIO BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA. São Paulo: Fórum Brasileiro de Segurança Pública, 2014;

ARQUITETURA INSTITUCIONAL DO SISTEMA ÚNICO DE SEGURANÇA PÚBLICA. Rio de Janeiro: Senasp, 2004;

FENECH, Georges. Tolerância zero. Tradução de Joana Patrícia Rosa e Mário Matos e Lemos. Mem Martins: Editorial Inquérito, 2001;

BATISTA, Vera Malaguti. Intolerância dez, ou a propaganda é a alma do negócio. Discursos sediciosos. Rio de Janeiro, v. 2, n. 4;

BELLI, Benoni. Tolerância zero e democracia no Brasil: visões da segurança pública na década de 90. São Paulo: Perspectiva, 2004;

_______. Polícia, "tolerância zero" e exclusão social. Fundação Carlos Chagas, Campinas, v. 110, n. 58;

CARVALHO, Vilobaldo Adelídio de; SILVA, Maria do Rosário de Fátima e. Política de segurança pública no Brasil: avanços, limites e desafios. 2011. Disponível em: Acesso: 08 fevereiro 2016;

COUTINHO, Jacinto Nelson de Miranda; CARVALHO, Edward. Teoria das janelas quebradas: e se a pedra vem de dentro?. Revista de Estudos Criminais. a. 3, n. 11;

DEMO, Pedro. Sociologia: uma introdução crítica. 2. ed. São Paulo: Atlas, 1995;

FOLHA DE SÃO PAULO: O fracasso de um modelo violento e ineficaz de polícia. São Paulo, 08 fevereiro 2015. Disponível em: . Acesso: 09 fevereiro 2016;

G1: Brasil é o 11º país mais inseguro do mundo no índice de progresso social. Disponível em: . Acesso: 12 fevereiro 2016;

INSTITUCIONAL DO SISTEMA ÚNICO DE SEGURANÇA PÚBLICA. Rio de Janeiro: Senasp, 2004;

OLIVEIRA, Fernando Antônio Sodré de. Breves apontamentos sobre as políticas criminais e sua influência nos mecanismos de controle social formal. Debate em Direito. v. 31;

PIERUCCI, Antônio Flávio. Ciladas da diferença. Tempo Social: Revista de Sociologia da USP. v. 2, n. 2;

SARLET, Ingo Wolfgang. A eficácia dos direitos fundamentais: uma teoria geral dos direitos fundamentais na perspectiva constitucional. 11. ed. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2012;

SHECAIRA, Sérgio Salomão. Tolerância zero. Revista Internacional de Direito e Cidadania, n. 5;

SILVA, Silvia Carolina Pamplona e. O discurso da política penal de tolerância zero. Monografia (Especialização). Universidade Federal do Paraná: Curitiba, 2006;

SILVA FILHO, Edson Vieira da, et al. O direito penal e suas faces: da modernidade ao neoconstitucionalismo: o direito penal visto em uma perspectiva máximalista. São Paulo: Lexia, 2013;

SILVA, Fábio de Sá e. Violência e segurança pública. São Paulo: Fundação Perseu Abramo Partido dos Trabalhadores. Coleção O Que Saber, 2014;

SOARES, Luiz Eduardo. Segurança pública: presente e futuro. Estudos Avançados, São Paulo, v. 56, n. 20;

STOCHERO, Tahiane. Brasil teve em média 143 assassinatos por dia em 2014. Disponível em: Acesso: 13 fevereiro 2016;

STRECK, Lênio Luiz. A dupla face do princípio da proporcionalidade e o cabimento de mandado de segurança em matéria criminal: superando o ideário liberal-individualista-clássico. Disponível em: Acesso: 23 março 2016;

_______. Comissão de juristas gosta de direito penal do risco. Revista Consultor Jurídico, 8 de maio de 2012. Disponível em: s/a;

_______. Hermenêutica Jurídica (e)m cri-se: uma exploração hermenêutica da construção do direito. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 1999;

_______. Punir é um ato civilizatório. Zero Hora Editora Jornalística, Rio Grande do Sul, 04/02/2012;

VILLELA, Danielle. Brasil lidera em número de homicídios, mostra ferramenta virtual. Disponível em: Acesso: 13 fevereiro 2016;

WACQUANT, Loic. As prisões da miséria. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Marília Gabriela Andrade Pereira